Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]





VALENÇA

por afifenoticias, em 11.09.10

Exposição “São Teotónio – Primeiro Santo Português”        

 

            A exposição “São Teotónio – Primeiro Santo Português” foi inaugurada ontem, 8 de Setembro, na vizinha cidade galega de Tui e estará patente ao público até 8 de Outubro, na Sala de Exposições da Área Panorâmica. A iniciativa partiu da Câmara de Valença e do Ayuntamiento de Tui.

            Esta exposição pretende evidenciar e promover a imagem e o conhecimento do mais ilustre dos valencianos – São Teotónio, primeiro santo português, nascido em Ganfei, no tempo em que Valença era parte integrante da Diocese de Tui.

            Um  conjunto de painéis fazem a resenha e a leitura histórica da vida e obra da figura de São Teotónio, nas suas vivências em Valença, Tui, Coimbra, Viseu, Jerusalém e outros locais por onde passou. Várias imagens da Capela de São Teotónio de Ganfei dão corpo a esta mostra que conta, ainda, com uma reprodução  da  tela alusiva ao santo, bem como da imagem em talha existente na Catedral da Sé de Tui.

            Esta iniciativa de promoção / divulgação da figura de São Teotónio, na vizinha cidade de Tui contará, ainda, com a apresentação da obra “A Vida de S. Teotónio”, a cargo do Grupo de Teatro Amador de Verdoejo, no próximo dia 28 de Setembro, no Teatro Municipal de Tui.

 

 

Trilho Pedestre de Real

Pelas Matas de Aveleiras e Gravuras Rupestres em Valença   

 

         A Câmara Municipal inaugura o Trilho Pedestre de Real, na freguesia de Gandra, sábado, 11 de Setembro, pelas matas de aveleiras, gravuras rupestres, levadas de água e velhos engenhos e moinhos. Com a distância de 6 Km's é um percurso rural / cultural que se desenvolve pela freguesia de Gandra, com um grau de dificuldade fácil e um tempo estimado de 2 horas.

         O ponto de partida, deste percurso circular, é a Igreja Paroquial de Gandra. O encontro está marcado para as 9h e o início da caminhada para as 9h30.

         O percurso será acompanhado por guias especializados que darão a conhecer os pontos mais interessantes do percurso, sobretudo, o património edificado, a fauna e a flora  autóctone.

         O Trilho do Real inicia-se junto à Igreja Paroquial de Gandra, para percorremos por escassos metros a estrada em direcção ao lugar de Real- um pequeno aglomerado populacional, cujas ruelas são estreitas, o que torna esta passagem muito atractiva ao pedestrianista. Pouco depois, deixamos o núcleo populacional para entrarmos numa zona de acessos a campos agrícolas, muitos deles em pousio, para no ano seguinte receber a sementeira do milho ou de batata.

         O caminho dá lugar à estrada asfaltada, para caminharmos por cerca de 400 metros, até virarmos à direita por um outro caminho em terra que nos conduzirá a um local de elevada beleza natural, coberto por vegetação autóctone, onde predominam várias espécies de árvores, no entanto em maior quantidade as aveleiras (Corylus avellana).

         Chegados ao lugar de Picões, visitamos a pequena Capela de Sant' Ana, cuja simplicidade, nos convida a uma curta e merecida pausa. Continuando o caminho, já no lugar de Cais, junto a um regato, podemos a observar um conjunto de engenhos com motivos rurais, diversos moinhos com as suas inúmeras levadas, que tanto serviam para conduzir a água aos moinhos como para o regadio dos campos. O topónimo deste lugar, provavelmente deriva do galego “canles” que significa “levadas” ou “canais”. A abundância das linhas de água, definem e moldam o relevo desta área, e a vegetação autóctone, que margina nos leitos dos ribeiros e regatos, confere um grau de luz, cor e vida à paisagem.

         Logo depois, viramos no primeiro caminho em terra que surge à direita e nos conduzirá ao lugar de Pinheiro. Seguidamente, avistamos a Capela de St.º Amaro, indicando-nos a direcção para alcançarmos o local onde se iniciou este percurso. Durante este troço final podemos observar um elemento patrimonial da arquitectura industrial, a antiga Fábrica de Têxteis dos “Durães”, que pelas suas dimensões, deixa transparecer a importância que esta teve na economia e na vida das gentes desta freguesia e do concelho de Valença. Pelas estreitas quelhas e ruelas típicas portuguesas, alcançamos finalmente o local onde teve início este percurso de âmbito tão diversificado a nível paisagístico, cultural e de património local.

.

Observação de Avifauna                    

Novas Infra-Estruturas na Ecopista do Rio Minho        

 

         A Ecopista do Rio Minho, entre Valença e Monção, conta com um novo Posto de Observação de Avifauna, nos limites entre Friestas e Lapela, no âmbito da P.S.P.- Promoção e Sustentabilidade das Paisagens do Vale do Minho.  A nova infra-estrutura de apoio, localizada em plena Ecopista, permite uma observação privilegiada da fauna e flora da Insua do Crasto, da Foz do Rio Manco e do Rio Minho - espaços singulares da Rede Natura 2000.

         Valorizar a Ecopista do Rio Minho e promover a sustentabilidade do território permitindo uma melhor interpretação e conhecimento da riqueza da fauna e flora da nossa região orientou sempre esta intervenção, segundo o Presidente da Câmara, Dr. Jorge Mendes.

         Uma mesa de interpretação da natureza contigua ao Posto de Observação da Avifauna ajuda os curiosos a reconhecerem, com mais facilidade, as espécies autóctones mais emblemáticas.

         A emblemática Ínsua do Crasto, uma língua de terra no rio Minho, já nos limites entre Valença e Monção, a Foz do Rio Manco e o próprio Rio Minho são pontos privilegiados para a interpretação da natureza. Trata-se de uma zona onde a fauna e a flora são abundantes e muito diversificadas sendo, sobretudo, comum observar as seguintes aves: Pato-real; Melro; Milhafre;  Mocho Galego; Rola; Pardal Comum; Gaio; Faisão Mongol; Perdiz; Codorniz; Pombo Branco; Peneireiro Vulgar; Corvo; Carriça; Cuco; Coruja das Torres; Tordo; Verdilhão. Com um pouco de sorte será até possível ver alguma lontra, comum neste autêntico refugio da natureza, nas margens do rio Minho.

         A flora, nesta zona, é abundante com as galerias de vegetação ripícolas, os juncais e os pinhais.

         No âmbito do P.S.P. - Promoção e Sustentabilidade das Paisagens do Vale do Minho está em perspectiva, ainda, a colocação de mesas, bancos e um abrigo, num espaço da Rede Natura, próximo ao Rio Minho, na parte sul do concelho.

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 19:40



Mais sobre mim

foto do autor


Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2014
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2013
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2012
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2011
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2010
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2009
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2008
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2007
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D

CONTADOR

estatisticas gratis


geo-visitas




Favoritos