Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]





orfeao

por afifenoticias, em 27.10.12

ORFEÃO DE VILA PRAIA DE ÂNCORA RECRIA DESFOLHADA À MODA ANTIGA   

A Praça da República em Vila Praia de Âncora transformou-se numa eira, no passado dia 5 de Outubro, para acolher uma desfolhada tradicional, por iniciativa do Orfeão de Vila Praia de Âncora. A reconstituição deste trabalho agrícola teve como  principal intuito  manter e divulgar uma das tradições minhotas mais importantes, que são a desfolhada do milho, acompanhada pela música tradicional das concertinas. Contou com a participação dos orfeonistas vestidos a rigor com trajes típicos da tarefa, e de centenas de pessoas oriundas de toda a Vila e de várias freguesias do Vale do Âncora. Foi bonito ver pessoas de todas as idades  a participar neste evento,  os mais velhos revivendo e recordando os serões de antigamente, e os mais novos aprendendo a desfolhar e a malhar o milho, com se fazia em tempos idos.

A jornada iniciou-se logo pela manhã, com o corte das canas no campo de milho pelas foices nas mãos mais experientes, ao que se seguiu o carregamento do carro de vacas, que teve a ajuda preciosa do Carlos Alberto da Célia. Entretanto, a Praça ia-se a pouco  e pouco transformando numa Quinta de lavoura, onde foram colocados os espigueiros ao lado da eira, vários utensílios agrícolas relacionados com a cultura do milho e onde nem faltou o galinheiro. Ao lado foi montada uma tasquinha regional, onde não faltaram as iguarias da época, tais como o bacalhau frito, pataniscas, bifanas, Broa de milho, caldo verde e arroz doce, tudo regado com o vinho tinto da região. Também não faltou o café de cafeteira e a aguardente com mel.

Pelas 16 horas, com estava previsto, saiu o cortejo do lugar da Lomba, em direcção à Praça da República, transportando o milho em carro de vacas,  pertença da D. Maria Adelaide, sabiamente conduzido pelas mãos da Sra. Maria do Solheiro e da sua filha, proprietárias dos animais, seguido dos figurantes para a desfolhada e ao som das concertinas. Chegados ao local, o carro de milho foi colocado no meio da Praça onde permaneceu  aguardando o início da desfolhada.  Durante a tarde houve música tradicional e cantigas ao desafio, acompanhadas pelas concertinas, cavaquinho e ferrinhos, enquanto na tasquinha se iam provando os petiscos tradicionais.

Chegou finalmente a hora da desfolhada, de noite, à hora do serão, como era tradição. Todos os figurantes entraram na eira, distribuindo-se pelos vários recantos da “Quinta”. Os homens começaram por virar o milho, que imediatamente começou a ser desfolhado por mãos hábeis de homens e mulheres que mais parecia  terem  feito este trabalho toda a vida. De vez em quando ouviam-se gritos de alegria, que correspondiam ao aparecimento de espiga vermelha, o “milho-rei”, ao que se seguiam abraços e beijos para toda a gente. Outros iam enchendo  os cestos de espigas, carregando-os até ao espigueiro, onde eram encasteladas de modo a poderem secar.  Eram depois colocadas no chão da eira, onde se procedia à malhada. O milho era então limpo de impurezas na tarara e ensacado para armazenagem. Ao mesmo tempo eram feitas as copas de palha, que serviram depois para fazer a meda, onde ficaram a secar. 

A desfolhada foi uma autêntica festa, acompanhada por cantares e músicas tradicionais, seguida de baile ao som das concertinas.

Queremos fazer um agradecimento público ao Carlos Castro, pois foi graças à sua preciosa ajuda que conseguimos decorar a Praça da República com os utensílos da sua colecção particular. Agradecemos também a cedência dos espigueiros e casinha da eira à Viana Festas, à D. Maria Adelaide e Sra. Maria do Solheiro pelo empréstimo do carro de vacas e do gado, ao Paulo Bouças pela iluminação e pelo som, e à Câmara de Caminha por todo o apoio que nos deu. Não podemos esquecer um agradecimento muito especial pela cedência de todo o milho por parte do Silvestre e da Teresa Alves. Só com o trabalho e a colaboração de todos foi possível reviver uma das mais características tradições do Minho, que esperamos poder repetir no futuro.

Elias Presa

Fotografias de Cristina Presa e Margarida Palhares

 

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 18:00



Mais sobre mim

foto do autor


Arquivo

  1. 2020
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2019
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2018
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2017
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2016
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2015
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2014
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2013
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2012
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2011
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2010
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2009
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2008
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2007
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D



Favoritos