Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

AFIFE DIGIT@L jornal on-line de Afife

NOTICIAS LOCAIS E REGIONAIS ACTUALIZADAS SEMANALMENTE AOS SÁBADOS ÀS 21h30 ........ e-mail: afifenoticias@sapo.pt

 

OPP_-_Caminha_3.jpg

Caminha recebeu  o segundo Encontro Participativo do Orçamento Participativo de Portugal (OPP), um projeto único no mundo, a partir do qual os cidadãos vão escolher projetos a concretizar, num investimento total de três milhões de euros.  No Salão Nobre dos Bombeiros Voluntários de Caminha reuniu-se cerca de meia centena de pessoas, contribuindo com 15 projetos nas áreas da Cultura e da Agricultura, um número que superou largamente o de projetos submetidos no primeiro destes encontros, que decorreu em Braga.
Casa cheia e muito entusiasmo caraterizaram ontem o encontro, denotando a experiência do concelho neste tipo de participação cidadã. De facto, os moldes deste OPP promovido pelo Governo (embora à escala) são semelhantes aos do Orçamento Participativo de Caminha, instituído por este Executivo, o que explicará também o número e a qualidade dos projetos apresentados.   
Nesta edição do OPP estavam disponíveis quatro áreas, para projetos de âmbito regional e nacional: Cultura, Agricultura, Ciência e Educação e Formação de Adultos, tendo a contribuição de Caminha sido centrada nas duas primeiras.
Na área da Cultura foram apresentados os seguintes projetos: Aquisição de livros para bibliotecas municipais( Basílio Barrocas – regional); Apanha do Sargaço (Paula Araújo – regional); Regeneração da Cividade de Âncora - Afife     (António Brás – regional); A carruagem do Alto Minho no comboio Celtinha /Itinerário Porto-Vigo (Ângela Soares    - regional); Cultura Roteiros    (Maria Helena Alves – regional); Oficina  - Museu de Artes e Ofícios em Vila Praia de Âncora - Caminha     (Álvaro Meira – regional); Recuperação de espaços da muralha existente em Cerveira e Caminha (José Barbosa –regional); Encontro de embarcações tradicionais no Rio Minho (Andreia Alves –regional); A arte do Linho (Mónica Gonçalves – regional); Levantamento de todas as alminhas do Alto Minho correspondente aos dez concelhos que o integram (Maria Adélia Rodrigues – regional); Rotas do Contrabando (Filipe Fernandes – nacional) e Rotas do Contrabando no Rio Minho(Filipe Fernandes – regional).
Na vertente da Agricultura houve mais três propostas: ONG/Vigilância e Prevenção de Incêndios Florestais (João Bezerra    - nacional); Quintas de Portugal (Miguel Penteado – nacional) e Programa de Esterilização animal    (Fabrícia Silva - nacional/regional).
Conforme referiu Pedro Gomes, adjunto da Secretária de Estado Adjunta e da Modernização Administrativa, Graça Fonseca, não foi por acaso que o concelho de Caminha foi escolhido para a realização de um Encontro Participativo do OPP, e logo o segundo, já que nesta edição ocorrerá cerca de meia centena de encontros deste tipo (para 308 concelhos), divididos pelo Norte, Centro, Área Metropolitana de Lisboa, Alentejo e Algarve assim como Regiões Autónomas.
Pedro Gomes elogiou os moldes em que decorre o Orçamento Participativo de Caminha, considerando-o “exímio” e completamente original, já que põe à disposição dos cidadãos o montante que pagam em termos de IRS no concelho.
O presidente da Câmara de Caminha saudou os participantes, congratulando-se pela “sala cheia” e pela pronta resposta ao apelo feito pelo Município, recordando que, tratando-se do segundo encontro a nível nacional, este foi também o segundo a nível mundial, uma vez que Portugal é a única nação no mundo a levar a cabo esta prática de Democracia Participativa.
O Orçamento Participativo Portugal é um processo democrático, direto e universal, através do qual as pessoas decidem sobre investimentos públicos em diferentes áreas de governação. O OPP é deliberativo. São as pessoas que apresentam propostas de investimentos e de projetos que querem ver concretizados nas áreas da Cultura, da Ciência, da Educação e Formação de Adultos e da Agricultura, no Continente e nas áreas da Justiça e da Administração Interna, nas Regiões Autónomas.

Mais informações em https://www.opp.gov.pt

PROJETOS APRESENTADOS EM CAMINHA

CULTURA
Rotas do Contrabando
Já todos nós ouvimos histórias sobre o contrabando de produtos e a fuga de pessoas através da fronteira portuguesa. Em todas as zonas fronteiriças podem-se encontrar percursos, locais de memória e gente que conta as suas aventuras.
Umas vezes por terra, outras através de barco, com a ajuda ou suborno das autoridades. Muita gente viveu do contrabando, levando produtos e trazendo outros. Foram muitos os que fugiram à guerra e/ou procuraram novos mundos. Saltaram a fronteira e tentaram a sorte.
É necessário e urgente que seja feita a recolha de informação deste pedaço da nossa história, sob pena de se perder para sempre. Esta informação deve ser disponibilizada para todos e pode ser utilizada para fins turísticos, como atração das regiões interiores, combatendo a desertificação. Dez distritos, e perto de quarenta municípios, podem vir a beneficiar deste património imaterial.
Filipe Fernandes


Rota do Contrabando no Rio Minho
Já todos nós ouvimos histórias sobre o contrabando de produtos e a fuga de pessoas através da fronteira natural do Rio Minho (praia minhota). Nas zonas sub-fronteiriças ao Rio Minho podem reconstruir-se percursos, locais de memória e gente que pode ainda contar as suas vivências. Tanto por terra, como por rio, subornando as autoridades para poder trazer géneros em quantidades não autorizadas. Conseguia-se subsistir agruras de uma época castigada pela escassez. Esta recolha urgente, tanto quanto se podem perder estes testemunhos pelos que os viveram ou pelos que ouviram contar. A informação recolhida pode ser devolvida à comunidade, através de plataformas digitais, exposições e percursos.
Filipe Fernandes


Encontro de embarcações tradicionais no Rio Minho
O encontro de embarcações tradicionais no Rio Minho visa a concretização de um evento para divulgação e promoção das tradições do Vale do Rio Minho - património, usos e saberes das vivências do Rio Minho, enquanto património cultural e natural.
Com esta iniciativa pretende-se, para além da dinamização da temática associada à pesca tradicional, promover a paisagem e tradição, a preservação e reabilitação das embarcações tradicionais e o registo das memórias e espólios associados, através de documentário e edição de monografia sobre o tema. Pretende-se com a esta iniciativa o encontro de diferentes embarcações quer do Rio Minho quer de outras origens, nacionais ou internacionais, promovendo o intercâmbio cultural entre regiões e comunidades piscatórias.
Andreia Alves


A Arte do Linho
A presente proposta pretende o registo de uma arte tradicional de elevada importância nas comunidades do Alto Minho - A Arte do Linho para a memória futura, desde a sementeira à arte final, a produção das peças (tecelagem), através da realização de um documentário, publicação de monografia e recolha/preservação de espólio ligado à arte.
Prevê-se ainda a realização de uma exposição itinerante, destinada a percorrer os municípios interessados, quer no território nacional como internacional. Esta Arte/Oficio era realizado em todos os concelhos do Alto Minho pelas mulheres das comunidades rurais, onde parte dos trabalhos eram realizados nas longas noites de inverno. Era uma atividade, um complemento da agricultura.
Mónica Gonçalves

Levantamento de todas Alminhas do Alto Minho correspondentes aos dez concelhos que os integram
O objetivo desta proposta é o estabelecimento de uma rota de visitação. O desejável será a integração desta rota em plataforma eletrónica.
Adélia Rodrigues


Oficina - Museu de Artes e Ofícios em Vila Praia de Âncora (Caminha)
Consiste no aproveitamento do 1º andar do mercado de Vila Praia de Âncora para montar um espaço museológico com o objetivo de dar a conhecer às gerações vindouras várias atividades que já desapareceram ou estão em vias de desaparecer. Ainda é possível encontrar ferramentas e objetos e, até, testemunhos. Sem a criação deste espaço irão desaparecer para sempre as memórias de uma região.
Álvaro Meira


Recuperação de Espaços da Muralha existente em Cerveira e Caminha
Recuperação de espaços amuralhados de grande valor patrimonial e cultural para os nossos concelhos, espaços esses que estão, de certa forma, degradados e esquecidos. Estes espaços podem ser valorizados com algum cuidado e respeito pela história, não destruindo, mas sim, valorizando estes mesmos para que, num futuro próximo, possamos todos usufruir deles.
No caso de Caminha, o local encontra-se no cimo da Vila com uma vista fabulosa sobre o Estuário do rio Minho, e contempla um terreno interior com um declive natural para que se possa fazer um anfiteatro natural para que possamos contemplar bons e grandes espetáculos ao ar livre. Uma vez que a cultura deve ser valorizada, como já referi, a situação geográfica do terreno é perfeita para que possamos contemplar grandes espetáculos num espaço público aprazível.
José Barbosa


Cultura - Roteiros
Venho por este meio propor uma rota de moinhos de água no Alto Minho.
Maria Helena Alves


Aquisição de livros para Bibliotecas municipais
Existem bibliotecas para utilização pública com excelentes condições de espaço, que têm um número muito reduzido de obras, quer para adultos, quer para crianças. Propõe-se que seja disponibilizada uma parcela que sugeri no valor de 100 a 150 mil euros, mas pode ser diferente. Se maior, melhor ainda, para a aquisição destes livros, do Orçamento Participativo Portugal. Os responsáveis das bibliotecas deverão ser ouvidos sobre o tipo e quantidade de obras que mais precisam, antes da sua aquisição, ou ser os próprios a adquiri-las com a verba que os cabe.
Basílio Barrocas
Regeneração da Cividade de Âncora - Afife
É uma proposta que consiste na recuperação dum baluarte histórico da Península Ibérica, que se encontra encravado nos limites das freguesias de Âncora, do concelho de Caminha, e de Afife, do concelho de Viana do Castelo. Segundo o historiador português Armando Coelho trata-se de um castro de importância acrescida. Nomeadamente pela sua dimensão de vulto, que se estima uma fortaleza com dupla muralha sendo na época habitada por milhares de indivíduos que inclusivamente recebia tributo de toda a zona a norte inclusive até à atual Vila Nova de Cerveira.
Neste projeto de regeneração tem-se como objetivo dotar as imediações de um centro de interpretação que albergue o imenso e valioso espólio já retirado numa parcela de dimensão reduzida que até ao momento foi explorada e votada ao abandono. Sendo que o seu espólio se encontra disperso inclusive no Museu Martins Sarmento na cidade de Guimarães.
Enfim criar as condições para restituir o património aos locais de origem, catapultar a região norte de um polo de atração turística que possa gerar dinâmicas económicas, culturais e sócioeconómicas. Avançar com a exploração restante de forma sustentada.
António Brás


A carruagem do Alto Minho no comboio “Celtinha” - itinerário Porto/Vigo
Aluguer/convénio de uma carruagem de comboio "Celtinha" que faz a ligação Porto/Vigo, para promover a cultura e os eventos culturais dos municípios do Alto Minho, através de uma experiência sightseeing audiovisual, inclusive. Os utilizadores da carruagem terão, com esta experiência, acesso através de promoções a monumentos, espetáculos e museus, descontos na visita em cada concelho.
Ângela Soares

Apanha do Sargaço
O projeto pretende promover o registo do conhecimento ainda existente sobre a atividade da apanha do sargaço na costa litoral norte. Atualmente existente num número reduzido de comunidades, nomeadamente sobre aspetos históricos, económicos e técnicas de apanha tradicionais nas várias comunidades, formas de tratamento e usos dados ao mesmo. O registo deverá traduzir-se numa exposição itinerante, elaboração de registo audiovisual (incluindo espólio fotográfico) e edição de uma publicação sobre o tema.
Observação: Aos Municípios referidos no âmbito regional, deverão também ser contemplados todos os outros Municípios do Norte do país onde exista ou tenham existido apanha do sargaço.
Paula Araújo



AGRICULTURA
Quintas de Portugal
Todas as quintas feiras as escolas servem fruta de origem portuguesa.
Miguel Penteado 


ONG/Vigilância e Prevenção de incêndios Florestais
Criar uma ONG a fim de gerir uma bolsa de voluntariado, cuja principal função será a vigilância e a prevenção de incêndios florestais em colaboração com outras entidades.
João Bezerra


Programa de Esterilização Animal
Tendo em conta o número de animais abandonados no nosso país, consideramos prioritário, pertinente e urgente, desenvolver e aplicar políticas e programas de esterilização animal. A reprodução excessiva e abandono de animais, nomeadamente, de cães e gatos, é um fenómeno que perpetua este flagelo cíclico. É importante referir, que estes fenómenos não afetam só os próprios animais, mas a comunidade em geral, tornando-se um problema grave de saúde pública.
O funcionamento das políticas de alguns municípios do nosso país cinge-se ao abate animal. Esta medida não soluciona o problema, apenas o camufla. Assim, acreditamos que as medidas em relação aos animais atuem conforme os princípios da subsidiariedade, isto é, que atuem na raiz do problema, a longo prazo. Este programa vai ao encontro dos critérios técnicos do OPP. Assim, para a sua execução será necessário recorrer a parcerias com as clínicas veterinárias locais tornando-se um processo facilitador envolvendo assim toda a comunidade. A forma como um país trata os seus animais espelha os seus valores.
Fabrícia Silva

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2021
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2020
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2016
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2015
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2014
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2013
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2012
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2011
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2010
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2009
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2008
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2007
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
Em destaque no SAPO Blogs
pub