Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

AFIFE DIGIT@L jornal on-line de Afife

NOTICIAS LOCAIS E REGIONAIS ACTUALIZADAS SEMANALMENTE AOS SÁBADOS ÀS 21h30 ........ e-mail: afifenoticias@sapo.pt

            MARESIA, CHEGOU À PONTE DO FIAL.     

                   

    As primeiras mares vivas do ano, acompanhadas com o mau tempo originaram grandes modificações no litoral do norte e em especial no de Afife, onde uma vez mais as dunas foram mais reduzidas na sua frente e outras alterações que já se vinham fazendo sentir na área da foz do rio, contribuíram para a subida  do mar, onde as ondas chegaram até à ponte do Fial, coisa nunca imaginada na freguesia, já que esta se situa a varias centenas de metros da praia.

Esta é certamente uma situação preocupante porque anteriormente tal não era possível acontecer, porque o rio tinha pela sua frente uma solida duna, que obrigava este a rumar para norte, tendo então o seu leito  definido no limite do areal até à direção das pedras do rio e foi assim que sempre os Afifenses o conheceram.

No entanto as coisas mudaram quando as investidas do mar vieram a comer a duna, fazendo com que o rio mudasse o seu curso e passasse então a sair diretamente para o mar, na então chamada curva do rio.

 

Esta situação, foi o princípio para o desaparecimento da duna, já que as mudanças sucessivas do trajeto do rio e as investidas do mar, vieram a levar a areia e assim a duna desapareceu simplesmente, da noite para o dia.

No dia anterior à entrada do mar rio acima, o rio tinha já o seu desvio para norte, no entanto o aumento do seu caudal, devido ao tempo de chuva que se sentiu e o pico das primeiras mares vivas do ano e segundo avançam alguns entendidos, ondas fora do normal, fizeram que  o rio viesse a sair novamente em linha reta para o mar.

Esta situação facilitou a subida do mar rio acima, já que as ondas um pouco mais intensas, não encontraram obstáculos que viessem a reduzir o seu poder de aceleração e galgaram até onde certamente ninguém pensaria ser possível, como passar além da ponte do Fial.

Tivemos pessoas que nos garantiram se terem assustado, quando presenciaram o mar subir com ondas o rio, partindo vegetação e levando tudo na frente.

È possível verificar ao longo das margens no percurso  entre a ponte do Fial até à praia, por onde o mar andou, não só pelas marcas de água, mas sim pela areia que este arrastou consigo e que ficou depositada nas leiras ao longo das margens.

 

Aqui pode-se ver a areia nas margens do rio e já bastante longe do mar.

 

Uma rede de pesca, ceio arrastada até bem perto da ponte do Fial.

A duna da agora foz do rio, ficou significativamente reduzida, com o seu desaparecimento total, ficando agora a praia muito maior.

 

Agora pergunta-se para onde foram aqueles comboios todos de areia que dali desapareceram, certamente que o mar levou para locais  mais profundos, pois na área de praia não se verifica qualquer reposição de areias.

Quanto à praia do Porto, sempre que há uma maresia, esta fica mais diminuída e foi isso que se verificou uma vez mais, no entanto aqui ainda dá para compreender, que muita da areia retirada das dunas desta área, se depositou na praia das Mós, ou seja a movimentação de areias se fez de sul para norte, como é habitual nesta altura do ano.

 

As marcas de onde o mar andou, com a areia depositada na margem e ao lado arrancou uma arvore.

Ao contrário daquilo que se registou no praial, aqui o mar não subiu  pelos regos foreiros muito alem daquilo que já se registou e no caso  do rego foreiro do Ínsua, onde a água do mar já chegou ao aqueduto do caminho da Folgosa, desta vez  isso não aconteceu, embora no rego foreiro dos salmões se tivesse feito sentir  um pouco mais a subida das águas do mar.

Assim e porque até março, ainda vão acontecer varias marés vivas, certamente que a configuração atual das dunas, não vai ser aquela que vamos certamente ver  na primavera, altura da chamada acalmia e onde deixam de se registar as marés vivas com esta intensidade.

No entanto ainda há a possibilidade de na altura  mais calma, do mar deitar fora a areia, como se diz na gíria do mar, pois as correntes marítimas mudam de norte para sul e muitas vezes registam-se movimentações de areia que o mar por vezes repõe nas praias.

No entanto uma coisa é certa, assiste-se ao desaparecimento acelerado do cordão dunar na área de Afife, ultimamente nada se tem feito para evitar essa situação, o que poderia evitar gastos mais avultados, quando a situação tiver mesmo que ser intervencionada.

Em tempos foi feito o ripamento de áreas onde a movimentação de areias era mais evidente pela força dos vento e essa proteção resultou e no caso do Ínsua até consolidou a duna, mas a partir daí, assiste-se  ao desaparecimento  das dunas.

No ano passado a força das ondas chegou ao local onde  nos anos 60 foi colocado um marco geodésico, na altura em que esse ali foi colocado, havia pela frente uma duna com mais de 30 metros até à praia, passados estes anos o mesmo foi derrubado, essa duna desapareceu e o marco ficou na praia, no entanto a força da última maré viva, até esse levou e certamente que pesaria bem mais de cem quilos.

 

 

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2022
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2021
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2020
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2016
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2015
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2014
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2013
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2012
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2011
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2010
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2009
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2008
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2007
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
Em destaque no SAPO Blogs
pub